Médicos suspendem atendimento a pacientes de dez planos em São Paulo

Os médicos de São Paulo suspenderam nesta quinta-feira o atendimento eletivo a todas as especialidades de dez operadoras de saúde, mantendo apenas os atendimentos de urgência e emergência. Entre os dias 11 e 17 de outubro, os médicos já haviam paralisado os atendimentos aos pacientes desses planos, mas de forma escalonada.

A previsão da Associação Paulista de Medicina (APM) é que cerca de 4 milhões de clientes de planos de saúde deverão ser prejudicados pelo movimento dos médicos, em todo o estado. A associação estima que participem do protesto pelo menos 4 mil médicos dos 50 mil que trabalham com saúde suplementar em todo o estado.

Não estão sendo atendidos os clientes dos planos Green Line, Intermédica, Itálica, Metrópole, Prevent Sênior, Santa Amália, São Cristóvão, Seisa, Trasmontano e Universal. Os médicos reivindicam remuneração de R$ 80 por consulta, valores dos procedimentos atualizados conforme a Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) e inserção nos contratos de critério de reajuste a cada 12 meses.

A categoria aproveita o Dia do Médico para fazer um protesto contra as operadoras e para chamar a atenção da sociedade para as más condições de trabalho enfrentadas pelos médicos, como a má remuneração das consultas, negação de exames e internações, entre outros temas. A ação será feita também em outros Estados do país.

Governo decide suspender venda de 301 planos de saúde no País

A Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge) informou, por meio de nota, que representa os planos de saúde em termos institucionais, participando de grupos de trabalho e câmaras técnicas para a discussão de melhores práticas do setor, além de analisar novos modelos de remuneração a prestadores de serviços de saúde suplementar.

Entretanto, alegou que, devido às diferentes características regionais, das especialidades médicas e dos tipos de contratos das operadoras com seus prestadores de serviços (médicos, hospitais ou laboratórios), os acordos por melhor remuneração são negociados diretamente entre as partes, sem interferência da associação.

De acordo com dados da Abramge, o setor de saúde privada atende mais de 48 milhões de pessoas. Por ano são feitos 890,3 milhões de procedimentos, entre os quais 254 milhões de consultas médicas, 517 milhões de exames complementares, 75 milhões de terapias, 38 milhões de outros atendimentos ambulatoriais e 6,3 milhões de internações.

Related posts:

  1. CicloFaixa de Lazer São Paulo ganha dois novos trechos

Still quiet here.sas